quinta-feira, 14 de novembro de 2013

De Volta Para a Aristocracia

Quem me conhece sabe o quanto sou avesso a polêmicas inúteis. No entanto, em atenção aos milhares de pedidos pela minha sempre sóbria opinião resolvi me manifestar.

É de conhecimento de todos que só existe uma coisa que vende mais jornal que título do Flamengo, trata-se de crise na Gávea. Dessa forma não é de se espantar que os preços para uma partida de futebol tenha ganhado espaço no horário nobre dos canais de TV.

O fato é que o ingresso mais barato para a finalíssima da Copa do Brasil dia 27 no Maracanã está saindo por 250 pratas. Então surge a pergunta que vem movendo debates de botequim a semana toda. Esse valor é justo? Em minha opinião, SIM.

É óbvio que o preço está salgado, mas e daí? Desde quando futebol é primeira necessidade do povo? Se você acha o preço de determinado produto ou serviço caro, você simplesmente não compra. Essa é a melhor manifestação de desaprovação que se pode fazer. E se o preço realmente não corresponder ao valor do produto outros não comprarão, e, com a falta de procura, o mesmo cairá.

Agora me digam. Alguém duvida que o estádio estará lotado para comemorar mais um título do Mengão daqui a duas semanas? Essa é a lei máxima do capitalismo camaradas. Oferta e demanda. O futebol voltou a ser um prazer dos burgueses e os carecas que dirigem o Flamengo estão apenas agindo com visão de negócios.

Nós até reclamamos do custo de vida, mas ninguém exige que se reduzam os valores nos cinemas, restaurantes, shows. Isso seria loucura!

Como Mv Bill já havia explicado, esse alvoroço todo só tem um motivo. "Nosso povo é manso/ Só vira bicho quando o assunto é futebol/ Nudez no carnaval, latinha de Skol".

sexta-feira, 8 de novembro de 2013

O Rei Voltou 2 (ou quase isso)

Minha última postagem neste blog foi há 782 dias.

As teclas do computador são espectros há muito esquecidos e gemem ao serem despertadas de seu sono sepulcral pela fúria dos golpes dos meus dedos. A poeira se levanta. Uma família de aranhas fica indignada por ter sido expulsa do abrigo onde vive há incontáveis gerações.

A Terra completou sua dança de translação por duas vezes e vai ensaiando os primeiros movimentos da próxima volta em torno do Sol. Sol que deu mais alguns passos rumo à sua inexorável destruição em uma nebulosa planetária.

Os brasileiros foram às ruas. Políticos foram do céu ao inferno. Black block's surgiram despertando paixões e ódios. Segredos de Estado foram revelados. Negócios foram feitos sobre as mesas dos poderosos enquanto negócios eram feitos sob as mesas dos poderosos.

O inverno chegou, a neve embranqueceu o chão e depois derreteu diante do primeiro calor da primavera. A formiga esquentou as seis patinhas junto ao calor da lareira, arrotando vinho do Porto e contando anedotas repetidas para os filhotes entediados. A cigarra morreu de fome e de frio, mas cantou até o fim. E o ciclo se repetiu por incontáveis vezes.

A criança que chorava no colo da mãe é agora o ancião que morre esquecido em um quarto de asilo.

As eras sucederam umas às outras levando adiante apenas uma lembrança, uma lenda equívoca, um sentimento indizível, uma marca inconsciente e, por fim, o nada. E até da pedra das catedrais fez-se pó.

O musgo cobriu a rocha lisa. A água cobriu o musgo. A terra cobriu a água. O magma fervente cobriu tudo e esfriou, tornando-se rocha lisa novamente.

Os olhos aflitos de Penélope ora fitavam a porta, aguardando o regresso de Ulisses, ora voltavam-se para o notebook, em busca de uma única palavra minha. E assim coseu e desmanchou o sudário de Laerte por tantos dias e por tantas noites que só o mito o admitiria.

E eu continuo sem ter nada a dizer.

segunda-feira, 21 de outubro de 2013

Diferenças - "Vândalos" x "Ativistas"

Invasão à Toulon - 17.07













Invasão ao Instituto Royal - 18.10
















Fonte:

QUAINO, Lilian. Polícia já tem imagens de câmeras do Leblon, Rio, onde houve vandalismo. <http://g1.globo.com/rio-de-janeiro/noticia/2013/07/policia-ja-tem-imagens-de-cameras-do-leblon-rio-onde-houve-vandalismo.html>. 21 de out. de 2013.

MARQUES, E.; JÚNIOR, G. "Prejuízo é incalculável", diz diretor de laboratório invadido em São Roque. <http://g1.globo.com/sao-paulo/sorocaba-jundiai/noticia/2013/10/prejuizo-e-incalculavel-diz-diretor-de-laboratorio-invadido-em-sao-roque.html>. 21 de out. de 2013.

terça-feira, 1 de outubro de 2013

Volta o Cão Arrependido

Existem eventos que já fazem parte do calendário, marcamos nas nossas agendas e aguardamos durante o ano inteiro por eles. O Carnaval, o Natal, a Páscoa e, obviamente, a queda livre do Botafogo na tabela do brasileirão.

É curioso como entra ano e sai ano o Botafogo de Futebol e Regatas sempre realiza a mesma proeza. Arranca de forma empolgante no inicio do brasileirão, sendo caracterizado pelos “especialistas” como dono do futebol mais bonito e bem jogado do país e, com a precisão de um relógio suíço, cai absurdamente de rendimento a partir do segundo semestre terminando a competição em um justíssimo 10º lugar.

Bem, antes de mais nada vamos aos números. Quando a folha referente ao mês de Agosto ainda não havia sido arrancada de nossos calendários, durante o primeiro turno, o Botafogo havia vencido dez vezes, empatado em seis ocasiões e sofrido apenas três derrotas, com isso obteve um aproveitamento de 63%. Bem próximo dos 66% que, dizem os matemáticos, é suficiente para se sagrar campeão brasileiro. Pois bem, já no segundo turno do BR13 foram duas vitórias e três derrotas em cinco jogos, resultando em um aproveitamento de 40%. Digno de clubes que brigam para não cair (mas ainda assim melhor que o Vasco).

O mais interessante, no entanto, é ver que o torcedor botafoguense é dono de um otimismo digno de um romance de Eleanor Porter. Por mais que ele esteja (literalmente) careca de conhecer esse tragicômico enredo está sempre disposto a discutir com qualquer torcedor com o objetivo de provar que dessa vez ele será campeão. 

Mas devo confessar aos amigos que tenho até certa simpatia pelo foguinho, é quase como um segundo América aqui no Rio. É um clube simpático e possuidor de uma bonita história. Poucos títulos é verdade, mas uma bonita história, e, claro, não faz mal a ninguém.

quinta-feira, 19 de setembro de 2013

O Especialista Especial



Hoje estava assistindo a um desses "jornais" que passam no final da tarde em nossa TV aberta. Não me julguem mal nem me xinguem, por favor. Não estava realmente assistindo, a televisão estava apenas ligada e acabei ouvindo uma ou outra notícia por alto.

Enfim, como alguns sabem recentemente ocorreu o lançamento da nova versão do aclamado GTA, dessa forma a edição do “telejornal” achou relevante fazer uma matéria especial sobre jogos eletrônicos.

O teor da reportagem era, como esperado, de alerta aos malefícios que a influencia de jogos eletrônicos podem trazer à formação dos jovens. Então eis que surge uma especialista, psicóloga, dizendo que, realmente, a violência mostrada em vídeo games pode sim levar indivíduos a cometerem crimes na vida real graças a banalização da violência que estes causam.

Esse pequeno fato chamou minha atenção. Repararam como as reportagens, tanto televisivas quanto escritas, sempre conseguem a opinião de um especialista para embasar aquilo que desejam que o espectador acredite?

“O bater de asas de uma borboleta pode causar o desabamento de um edifício no centro”, “escutar bossa nova desenvolve comportamento assassino”, “comer muitos vegetais faz mal à saúde”. Não importa o absurdo que querem que você acredite, sempre haverá um especialista emitindo sua opinião para corroborar isso.

No entanto, cheguei a conclusão de que admiro a coragem desses profissionais que, após passarem anos estudando determinada área, colocam a cara na TV diante de milhares de pessoas, se expondo às famílias e colegas apenas para passar vergonha e falar bobagens.


quinta-feira, 29 de agosto de 2013

Direito de protestar


 Se você não estava outro planeta ficou sabendo dos  vários protestos que ocorreram Brasil afora e pelo mundo também, com esse clima em mente, gostaria de levantar algumas questões sobre o direito de protestar no texto que se segue.

Sempre me ensinaram pessoas que nunca pisaram em uma faculdade de direito que meu direito termina onde começa o do outro, pois bem, partindo dessa idéia fico confuso em relação ao tal direito de protestar, de se expressar, etc. Ah, antes de falar mais sobre o assunto quero deixar claro que sou a favor dessas manifestações contra os governos apesar de todo impacto negativo que causam nas pessoas que querem apenas ir e voltar de seus respectivos empregos. Há, claro, toda uma questão sobre a necessidade de engajamento de todos até porque se o governo não se desviasse tanto da sua missão não haveria necessidade das pessoas demorem horas para ir e voltar do trabalho, elas não precisariam aceitar jornadas tão longas de trabalho tão longe de casa, o que afeta diretamente seus relacionamentos familiares e sua saúde, tem toda uma longa cadeia de causas e efeitos que começam, a meu ver, na falha do Estado em prover saúde, educação e segurança de qualidade, o que faz com que tenhamos que pagar impostos e planos de saúde e colégios particulares e seguro de vida, de carro, de casa, pedágio , etc.

Pois bem, disto isto, quão legítimo é um protesto de 300 pessoas que fecha, por exemplo, uma das avenidas mais importantes do Rio de Janeiro como a avenida Rio Branco ?
O que a polícia pode fazer para garantir o direito de ir e vir de várias outras pessoas após pedir educadamente que os manifestantes liberem a avenida?
Eu fui a um dos protestos, porém continuo sem uma opinião formada sobre isso, então convido você a refletir sobre uma situação hipotética onde você seria impactado mais pessoalmente, algo semelhante aos vizinhos do Sérgio Cabral no Leblon.

Imaginem um protesto na frente da sua casa, muita gente, muito barulho, etc. Vamos supor que os protestos não fossem direcionados a você, o que eu acho que nem faz diferença. Imagino que primeiro você tentaria pedir aos manifestantes que se retirassem ou diminuíssem o barulho, pedido com mínima chance de ser atendido, confirmando o não atendimento do pedido, imagino que o próximo passo seria ligar para a polícia, é o que se faz quando se tem uma festa barulhenta perto de casa varando a madrugada, por exemplo, daí a polícia chega e pede que os manifestantes se dispersem, eles não atendem o pedido, daí  o policial vem e te informa que nada pode fazer já que os manifestantes não querem  sair e ele não pode usar de violência para retirá-los do lugar, nada de spray de pimenta, gás, bala de borracha ou cacete, como você, morador do local, se sentiria ?

Sou a favor dos protestos, mas se fosse em frente a minha casa, quero mais é que dê tiro de bazuca neles.

O que você sugere que seja feito para garantir o direito de todos? As pessoas devem ser obrigadas a protestar junto?

Como se define um manifestante, um bandido ou um arruaceiro?
É difícil para você imaginar um protesto em frente a sua casa? Tu deve morar mal para caralho então.

sexta-feira, 23 de agosto de 2013

Não parou por aqui

Fala aí povo,

Escrevi esse texto ano passado, dia 26/12, dias esses em que estava pensando em deixar algumas coisas em 2012, não havia postado até por isso tbm, para que ele mesmo ficasse em 2012, não deu, leiam aí...se quiser sugerir um nome, pode também. Vamos que vamos.

Das coisas que precisam ser ditas
Algumas quero dizer
Outras só quero esquecer

Das coisas que não posso mas quero falar
Algumas deixo escapar
Sobre outras consigo calar

Sobre a maioria, há o que dizer
Mas ninguém o consegue fazer
Sobre a maioria, há o que dizer
Mas ninguém tem o poder
Sobre a maioria todos tentam esquecer

A nova roupagem do racismo e torrada com manteiga



O preconceito. O preconceito racial. O preconceito racial no Brasil. Se você ainda não sabe, o preconceito racial no Brasil se dirige majoritariamente à raça negra. Parece óbvio? Talvez seja para mim, para você e para seu filho. Mas acredite, colega leitor(a), essa questão vem se tornando extremamente embaçada para muita gente que cai na nova armadilha do tradicionalismo branco.

Vou explicar e, antes disso, quero esclarecer alguns pontos. Primeiro, quando falo de raça, me referindo aos humanos, estou cometendo uma grande gafe. Esse conceito retrocede até uma teoria antropológica que já caiu em desuso. Isso significa que a espécie humana não é dividida em raças, mas sim em etnias. Resumidamente, a biologia sugere que nossas diferenças genéticas não são grandes o bastante para nos distinguir enquanto raça. Ainda assim, falarei de racismo, mesmo porque ele parte do ideário dessa divisão inexistente. Ou seja, havendo ou não diferentes raças humanas, o racismo é ainda comum, porque ele parte da ideia dessa concepção falsa e retrógrada. Além disso, a ideia de raças originou grupos sociais históricos que partilham um passado em comum e simplesmente aniquilá-la pode ser problemático. Confuso? Calma, vai piorar.

O conceito biológico que, por um lado, demonstra os absurdos das proposições científicas sobre a superioridade da raça caucasiana pode, por outro, ser usado para esvaziar movimentos de reafirmação de grupos que foram oprimidos por terem características distintas. Estou falando, claro, dos negros. E é nessa tênue linha da existência e da importância da questão racial que a hegemonia branca tenta reafirmar sua posição superior.

Sob a igualdade biológica se abandonam as problemáticas da construção social histórica.

Como? Simples. Não se pode mais falar de raça. O conceito começou a ser invertido e, agora, o verdadeiro racista é o negro. A estratégia do novo movimento não se baseia, portanto, em insistir na superioridade genética da raça branca, mas em esvaziar todos os movimentos de (re)afirmação cultural dos grupos oprimidos, em particular, o da inexistente raça negra.

Agora, amigos, se o negro é o verdadeiro racista nessa sociedade contemporânea, adivinhem quem é a vítima dessa trágica realidade? Sim, o pobre homem branco. Não bastasse a ditadura dos homossexuais, que agora tentam mostrar às crianças que o homossexual é também um ser humano (mimimi kit gay), o homem branco tem de sobreviver igualmente ao racismo dos negros que, com as estupidas cotas raciais (mimimi, raças são iguais), tomam seus lugares no vestibular e nos concursos públicos.

A inversão é assustadora. Sobre o preceito de que não há raças (ou que todas as raças são igualmente capazes, se preferirem) tenta-se agora desprezar a história, fingir que o que aconteceu no Brasil não teve e continua tendo desdobramentos na contemporaneidade. O negro foi excluído da apropriação de terras? Da educação? Das políticas sanitárias? Nada disso importa, dizem, porque hoje a constituição garante que todos são iguais perante a lei.

Veja bem, não há porque buscar igualdade, porque a lei (jurídica e genética) já a garante. Esse é o discurso. E daí que em 2001, 113 anos após o fim da escravidão, o percentual de negros no ensino superior era de 10.2%? As cotas, dizem as vítimas do racismo negro, devem ir apenas para os pobres em geral. Afinal, a raça não faz diferença. Pobre é pobre. E negros e brancos tem, hoje, os mesmos direitos garantidos por lei. Ser preto no Brasil, de repente, não é mais um problema.

A História é posta de lado. Balbucia-se até contra o direito de afirmação negra. “Um negro pode usar camisa dizendo 100% negro, eu não posso usar uma dizendo 100% branco”. Pobre homem branco.

Coloca-se de lado que a afirmação da cultura negra é construída sobre um histórico de opressão da raça caucasiana que, por mais de meio milênio, inferiorizou essa, hoje, inexistente raça. O símbolo é ignorado. A luta contra a opressão é desvirtuada. O negro que se orgulha de sua raça é racista, porque a história está morta e, aparentemente, não repercute em nossa sociedade, independente do que as estatísticas mostram.

A foto que marca essa postagem é a estátua de um garoto negro, segurando um enorme cesto. Presos em seus pés, grilhões deixam claro que ele não é livre. Para quem não sabe essa foto não pertence a um museu. Foi tirada em uma das filiais do supermercado pão de açúcar, em SP. A comunidade negra achou o manequim extremamente ofensivo e o mercado, pedindo desculpas, retirou o artefato que decorava uma de suas alas. Vocês podem ler um pouco a respeito aqui.

Queria saber sua opinião. Como você acha que aquela estátua foi parar ali?

Não vou chegar ao ponto de dizer que o Pão de Açúcar colocou ali o objeto para ofender os negros. Não que eu conheça a mentalidade dos donos do mercado, mas isso seria simplesmente mal para os negócios. O que preocupa é que, seja lá quem colocou a imagem, não conseguiu ver a alusão à escravidão negra. Não percebeu como poderia soar racista a peça de decoração. O poder simbólico estava tão naturalizado nessa pessoa que ela foi incapaz de enxergar o problema. Afinal, o que pode ter de errado em colocar um pequeno escravo negro segurando pães e frutas em um supermercado?

Tive uma pequena discussão no facebook por conta dessa foto. Defenderam, veja só, que os racistas estavam exagerando na ofensividade da imagem. O problema da estátua, disseram, eram os grilhões e não o fato dela ser (também) negra. Disseram que, se o manequim fosse de uma criança branca com grilhões, ninguém veria problema. Percebam: o problema não estava em uma imagem de um negro escravo e, sim, o de fazer alusão a qualquer tipo de escravidão.

A raça negra não poderia se sentir ofendida com esse tipo de coisa. O negro, afinal, não existe. A história está enterrada. O racismo, hoje, é coisa de preto.

PS.: Quanto a torrada com manteiga, descobri recentemente que se você colocar a manteiga no pão antes de jogá-lo na torradeira ele fica pronto mais rápido. Acho que a manteiga age como algum tipo de catalizador, talvez porque ela queime mais rápido. Fica aí a dica.

PS2.: Camarada, não estou te acusando de nada. Só tira um tempo e pensa um pouco no assunto.

segunda-feira, 17 de junho de 2013

O Rio de Janeiro Não é Mais Tão Lindo I


Segundo preceitos básicos de planejamento e boa administração, toda obra pública deve ser ambientalmente sustentável, economicamente viável e socialmente desejável. Tudo que o Centro de Tratamento de Resíduos (CTR) de Seropédica não é.

Inaugurado pelo governo em 2011 como sendo a mais moderna estação de tratamento de resíduos da América Latina, a CTR de Seropédica se mostrou na verdade um símbolo do mau planejamento (vamos confiar na honestidade dos governantes) que impera em todas as esferas do nosso governo.

Com a decisão de encerrar as atividades no Aterro de Gramacho e vendo barrada por pressão política a intenção de construir a CTR em Paciência (zona oeste...) o local escolhido acabou sendo Seropédica.

De maneira pouco estratégica a região escolhida foi justamente a área de recarga do Aqüífero Piranema, local de solo arenoso com alta permeabilidade. Esse fato fez com que alguns ambientalistas se preocupassem com a possibilidade do chorume, que é um resíduo liquido do tratamento do lixo com alta concentração de metais pesados, pudesse infiltrar pelo solo até atingir o aqüífero.

O contrato de licenciamento para administração da CTR previa que a empresa ganhadora construiria uma usina de tratamento de chorume no local. No entanto, dois anos após a inauguração a Ciclus, empresa que ganhou a licitação, ainda não cumpriu essa exigência.

Aparentemente a Prefeitura de Seropédica tem uma relação muito próxima com a empresa, uma vez que, segundo o site da Associação dos Docentes da Rural (http://www.adur-rj.org.br/5com/pop_2013/carnaval.htm), a empresa foi uma das patrocinadoras do carnaval da cidade.

O fato é que Seropédica recebe 9 milhões de toneladas de lixo por dia que geram 150 mil litros de chorume. Como não existe a tal usina de tratamento o resíduo é levado por caminhões até a Estação de Tratamento de Esgoto (vejam bem, esgoto não é o mesmo que chorume) de Icaraí/Niterói. A carga é transportada através de 150 km até chegar a ETE onde o chorume é tratado junto com o esgoto e jogado na Baía de Guanabara. O custo dessa operação é de R$80,00/m³ transportado.

O orçamento para a construção da usina para tratar o chorume é de R$35 milhões. Tá certo que a construção deve ser realizada pela Ciclus, mas só como comparação o valor gasto com a “reforma” do Maracanã, que será repassado praticamente de graça para um consorcio de empresas privadas, seria suficiente para construir 32 Usinas de Tratamento de Chorume, cuja inexistência gera um passivo ambiental enorme.

Bola fora das prefeituras do Rio de Janeiro, Seropédica e do Governo do Estado.

quinta-feira, 11 de abril de 2013

Como seria se não houvesse limite ?



30 anos, solteiro, órfão desde os 20, formado em Direito, herdeiro milionário.
Festa de aniversário dos 30, boate fechada para o evento, alguns amigos de infância, os outros, muitos convidados e convidadas conhecidos  de situações aleatórias dos últimos 5 anos. Carnaval, Jurerê Internacional, Salvador, Noronha, Búzios e Morro de São Paulo. Reveillon, Vegas, Nova Iorque, Londres, Sidney e Tóquio. Finais  da Liga dos Campões da Europa, Real e Barça, United e Chelsea, Milan e Juve, Inter e Roma, Bayern e City. Final do Campeonato Mundial de Clubes, Fla e Real, Bota e United, Inter e Juve, Boca e Roma, Libertad e City. Superbowl, Titans e Cowboys, Falcons e Jets, Giants e Patriots, Lions e Bears, 49ers e Ravens. Natal, Hotel Figueira, Hotel Flora, Hotel Flora, Hotel Figueira, Hotel Flora. Dia dos Namorados, Fernanda, Bárbara, Rafaela, Fernanda, Fernanda. Trinta anos e um dia, morto.

sexta-feira, 8 de março de 2013

O melhor para o pior

 

Ouça-me bem, amor
Preste atenção, o mundo é um moinho
Vai triturar teus sonhos, tão mesquinho
Vai reduzir as ilusões a pó
 
Preste atenção, querida
De cada amor tu herdarás só o cinismo
Quando notares estás à beira do abismo
Abismo que cavaste com os teus pés

Trecho de “O mundo é um moinho”, música de Cartola.

Existe uma série de livros chamados As Crônicas de Gelo e de Fogo, esses livros inclusive viraram um série chamada “The Game of Thrones” que está sendo exibida no canal HBO. Uma passagem em um desses livros chamou bastante a minha atenção e recentemente tem vindo bastante à mente, é uma passagem na qual um anão que é retratado no livro como promíscuo, brincalhão e muito feio revela que já foi casado quando mais novo e como esse relacionamento terminou, essa revelação, vale destacar, é feita a uma prostituta que costuma atendê-lo. Ocorreu da seguinte forma, o anão tinha por volta de seus 16 anos e era virgem, não tinha tido qualquer relacionamento afeto amoroso com alguma mulher, vendo o anão nessa situação o irmão dele, de estatura normal e retratado no livro como um jovem dentro dos padrões mais altos de beleza e por tal muito apreciado pelas mulheres, resolve ajudá-lo.

Em um dia aleatório saem os dois a cavalgar por alguma estrada na floresta (o livro se passa numa época medieval), e de repente ouvem gritos femininos vindos da  floresta, o irmão do anão dá grande importância ao fato, mas o anão parte em socorro floresta a dentro, chegando ele se depara com uma jovem sendo atacada por alguns homens, o anão usa então sua espada, bravura e ajuda de seu irmão que partiu em seu encalço para espantar os homens antes que conseguissem violentar a moça. A moça fica muito abalada com a situação, se diz filha de algum camponês na região e fica muito agradecida com o anão, ele então a leva para sua casa para que ela seja alimentada e tenha seus ferimentos curados, nesse processo eles se “apaixonam” e o anão a pede em casamento. Porém o pai do anão, um senhor de grandes posses e influência no reino, fica indignado com a decisão do filho de se casar com uma simples camponesa, outro ponto a se destacar é que o anão já não gozava de muito prestígio com o pai, a mãe do anão morreu ao dar a luz, a opinião do pai  parece ser que o anão "deu" pelo menos dois motivos para não ser amado, “matou” a mãe ao nascer e era um anão

O pai então questiona o irmão mais velho sobre como se deu essa aproximação entre o anão e a camponesa, nesse momento da narrativa o irmão mais velho revela que tudo não passou de uma cena armada por ele para que o irmão tivesse um relacionamento com alguma mulher sem levá-lo diretamente ao prostíbulo, a camponesa era uma prostituta e os homens que a estavam atacando haviam sido contratados por ele também. Com isso o pai e o irmão vão ao encontro do anão e lhe revelam toda a verdade, ele, claro, apaixonado recusasse a acreditar, para convencê-lo da verdade o pai oferece a camponesa uma moeda de prata para cada homem que ela “servir”, e obriga o anão a assistir todo “serviço” prestado por ela, eis que quando a moça cansa de prestar o “serviço” ela já ganhou mais moedas de prata do que pudesse carregar sozinha.
Apesar de tudo o anão não consegue desgostar da camponesa e a procura pelo reino, porém não conseguindo encontrá-la em lugar algum, desiste, e partir daí abraça a vida promíscua, indo de bordel em bordel incapaz de se relacionar afetivamente de novo.

Imagino que dois sentimentos devem ser o que mais mantém o anão traumatizado, primeiro o de ter dado o seu melhor a uma mulher que não existia, não da forma que ele achava que ela era pelo menos, e segundo, a saudade dessa mulher que não existia, o paradoxo de saber que a amada nunca existiu e mesmo assim não conseguir deixar de amá-la, e até por isso ele vive com a esperança no seu interior que ela não era uma prostituta, e sim uma jovem pobre que se corrompeu perante o alto pagamento dado pelo pai (A título de comparação, uma moeda de prata comprava um cavalo no ambiente do livro).

Essa parte é a pior.



Obs: mais a frente no livro, o Anão mata a prostituta ,que ouviu esse relato, enquanto ela dormia nua na cama do pai do anão, e em seguida ele mata o pai também. Sim, uma vingança pelo caso da jovem camponesa e outros maus tratamentos dados ao anão ao longo da vida.