sexta-feira, 28 de setembro de 2012

O maior, o vício!

O maior, o vício!

Um vicio é algo interessante, pode crer
Quando começa é difícil parar
O caminho de volta impossível encontrar
Faz bem ou mal, só quem tem pode entender

Não é do vicio nas drogas que eu estou falando
Mas todo vício é uma droga, vou logo avisando
Pelo menos as drogas são sempre como são
O que você sente em contato com Ela não muda não

Agora sim, no ponto exato eu cheguei
Era sobre Ela essa história,
Você já sabia, eu sei

O contato direto não satisfaz
Fico como um navio
Que não consegue parar no cais

Ouvir falar então é um desastre
Da vontade de espremer o traste
Ainda bem que não realizei esse feito
É fato, o que eu quero
Não terei desse jeito

Nenhum um sentido
Sozinho vai redimir
O que todos juntos
Fizeram-me sentir

Na verdade isso é só enrolação
Afinal já recebi o não
Mesmo assim, é difícil parar de querer
Tê-la aqui quente a meu bel-prazer

terça-feira, 25 de setembro de 2012

Como é que se diz eu te amo, disco II




Vou te dizer uma coisa
Tem hora que dói como se nunca fosse parar
Uma dor que da vontade de arrancar
Depois juntar tudo e por de volta no lugar

Aquele medo de perder
O que de fato nunca foi seu
Insistência no que te feriu
E por você nunca nada sentiu

Nada do que você queria, é verdade
Porque nada diferente disso tem validade
Renato sabia sobre o amor
Mas achava que ele não trazia dor

Graças a Deus o tempo passa e a gente esquece
Muito além daquilo que à razão estremece
E o caminho você vai ver, vai crescer e aparecer
Vai te ensinar, que quando é de verdade não faz sofrer

quarta-feira, 19 de setembro de 2012

Parábolas



"Quem tem ouvidos para ouvir, ouça..."

"Havia um monarca que não governava seu reino com justiça, nem atentava para as necessidades de seu povo.

Eis que surgiu um rival mais inteligente e competente e, temendo perder seu poder, o rei aproximou-se do sacerdote local oferecendo-lhe vantagens no palácio desde que este fizesse o povo acreditar que ele fosse o verdadeiro ungido.

Assim fez o sacerdote, a população se conformou e o rival foi para o exílio. O rei continuou governando em beneficio próprio e o povo continuou sofrendo."

Cuidado com os falsos profetas.



"Havia um senhor de terras que possuía um vasto pasto que estava tomado de insetos cujo veneno era mortal.

Ele precisava limpar suas pastagens para fazer sua plantação, mas nenhum de seus servos quis realizar o serviço.

Aconteceu que esse homem era próximo de um pastor de ovelhas, que concordou em espalhar seu rebanho no pasto em troca de uma parte das colheitas.

Durante dias as ovelhas pastaram e limparam o terreno, no entanto, foram ferroadas dezenas vezes e todas morreram.

O homem plantou seus grãos e o pastor recebeu sua paga."

Cuidado com os maus pastores.

quarta-feira, 12 de setembro de 2012

Mil Mãos de Guanyin

Segundo a wikipédia Guanyin é um bodisatva, espécie de ser de sabedoria elevada que deseja sempre beneficiar os demais seres. Parece que os budistas acreditam que existem vários e cada um é associado à determinada característica nobre. Guanyin é a compaixão.

Desculpem se o que escrevi está incorreto, mas todo conhecimento que tenho sobre mitologia budista vem de uma consulta de cinco minutos ao nosso oráculo Google.

Pois bem, estava eu numa dessas palestras motivacionais, quando um fulano começou a falar sobre a importância do trabalho em equipe etc. E para ilustrar o que dizia nos apresentou um filme.

E esse é meu verdadeiro objetivo hoje, mostrar para vocês esse vídeo. Não tenham medo de gastar esses 6 minutos de suas vidas. Vale a pena.

É incrível como esses chineses sempre conseguem nos surpreender pobres ocidentais...




http://www.youtube.com/watch?v=Jo0hUKwvYsc&feature=related

terça-feira, 4 de setembro de 2012

Velório do desejo

Velório do desejo

Ela quer
Você também
Ela ora
Você diz amém

Não precisa se ver
Não é fácil entender
Traduzir o que está na alma?
Quero ver você fazer

Não estou falando de amor
Não estou falando de paixão
É simples porém complexo
Tem o dom de te deixar perplexo

Lasqueira, cadê a eira? Cadê a beira?
Não posso fraquejar por essa vaca leiteira
Ela sentiu, viveu e falou
Agora sumiu sem dizer que acabou